Construir um negócio socialmente consciente é uma prática diária.

 

  1. Incorporar a empatia em todos os níveis do seu negócio

Ser socialmente consciente como proprietário de uma empresa é muito mais do que reunir sua equipe para um dia de trabalho voluntário (por mais maravilhosa que seja essas iniciativa). Administrar um negócio enquanto está ciente de seu impacto social é uma prática diária. Não é fácil, mas é recompensador – tanto em termos de realização pessoal quanto de desempenho nos negócios.

Incorporar a empatia à cultura de sua empresa é um bom lugar para começar. Tente implantar incentivos de empatia: mudanças de alto impacto e baixo custo que incluem desde a mudança de roteiros de atendimento ao cliente até reconsiderar os títulos de funcionários e dar aos funcionários juniores mais tempo de voz nas reuniões.

Melhorar a cultura da sua empresa é razão suficiente para se concentrar mais na empatia, pois ela se correlaciona com o desempenho empresarial.  Após a realização de um índice de empatia que mediu os indicadores, que vão desde a diversidade de assentos no conselho até as emissões de CO2, uma pesquisa descobriu que as 10 empresas mais empáticas superaram as 10 mais baixas em até 50%. Essa tendência se manteve fiel a todas as métricas de desempenho: crescimento, produtividade e ganhos.

 

  1. Livre-se de seus preconceitos inconscientes

O preconceito inconsciente se refere a “estereótipos sociais sobre certos grupos de pessoas que os indivíduos formam fora de sua própria consciência”. Todos podemos ser vítimas de preconceitos inconscientes, especialmente quando chega a hora de considerar novos candidatos a cargos importantes.

Considere isso: Vários estudos têm mostrado que as mulheres que procuram emprego encontram-se em uma desvantagem não-sensorial simplesmente por ter um nome feminino. Paulo e Jennifer podem ter currículos idênticos, mas Jennifer ainda receberá classificações mais baixas dos empregadores e ofertas de salário médio mais baixas. Isso foi provado.

A boa notícia é que o viés inconsciente é maleável. Estar ciente de seu preconceito e querer mudar são os primeiros passos para superar quaisquer crenças sutis de longa data sobre um determinado grupo de pessoas. Em vez de imaginar seu candidato ideal quando você começar a contratar (que provavelmente se pareça com todos os seus outros funcionários), visualize a criação de uma equipe membros mais diversos; isso ajudará a garantir que você não demita candidatos altamente qualificados simplesmente porque eles não parecem se encaixar com o resto de sua equipe.

 

  1. Realize uma auditoria salarial

Se você está procurando uma maneira de garantir a igualdade em seus negócios, considere iniciar sua própria iniciativa de transparência salarial.

Revisando a remuneração de seus empregados (e em comparação com salários oferecidos por empresas similares), uma empresa é capaz de se perguntar se estava pagando todos os gêneros e etnias de uma forma justa.

Poucas empresas fazem isso. Os salários dos empregados muitas vezes se enquadram em um código de silêncio que pode ser invasivo quando se lança luz sobre as disparidades salariais. O fato é que os salários desiguais também são uma responsabilidade da empresa. Lembre-se de como o Google se tornou alvo de processos judiciais e dezenas de artigos furiosos depois que o Departamento do Trabalho descobriu as “disparidades de compensação sistêmica da empresa contra as mulheres”.

Mesmo que os contratados do governo e os gigantes corporativos tenham maior probabilidade de enfrentar a reação adversa, a diferença salarial é insidiosa também para as pequenas empresas. Em vez de fechar os olhos, você tem a oportunidade de descobrir e corrigir as desigualdades de sua empresa à medida que elas surgem. Pense nisso.

 

Imagem cortesia: Pixabay