Do marketing às declarações de missão, as ferramentas e técnicas necessárias para mudar sua narrativa.

 

Em nosso cenário moderno de marketing, as marcas não podem se dar ao luxo de existir apenas como outra entidade sem rosto. Eles precisam ter uma história poderosa que venda quem eles são e lhes permita apelar para seu público-alvo. Enquanto a maioria das marcas entende essa necessidade básica de contar uma história, muitas não conseguem ter sucesso na execução. Felizmente, as marcas que estão falhando em seus esforços atuais de contar histórias tendem a compartilhar alguns problemas comuns (veja abaixo), que podem ser identificados e corrigidos com as ferramentas e técnicas certas.

 

  1. Seu marketing não é memorável.

 

Seus clientes desejam se envolver com histórias de marcas de qualidade, mas se a história que você está tentando contar não for memorável, você não fará uma conexão duradoura. Um estudo no Reino Unido descobriu que, embora 79% dos adultos “desejem que as marcas contem histórias como parte de seu marketing”, 85% dos pesquisados não conseguiram pensar em uma história memorável da marca.

Como essa triste estatística revela, a maioria dos esforços de marketing de marca não supera o barulho que bombardeia os clientes todos os dias, principalmente em meio à ascensão das mídias sociais.

A Nielsen estima que o adulto médio nos Estados Unidos gaste 11 horas por dia interagindo com várias mídias e, embora todo esse tempo certamente apresente uma oportunidade, isso também significa que há muitas outras histórias competindo pela atenção do cliente.

Parte do problema pode ser que você não está realmente contando histórias para começar. Embora um estudo de caso possa certamente ser persuasivo, se não se vincular a uma narrativa com um elemento emocional, provavelmente não terá tanto impacto memorável. Segundo a Stanford School of Business, as histórias são 22 vezes mais fáceis de lembrar do que os fatos.

Considere como estatísticas, depoimentos de clientes e outras opções de marketing podem ser vinculadas como parte de uma narrativa coesa. Uma história com um núcleo emocional colocará esses fatos em perspectiva para que eles tenham um impacto maior para o seu público.

 

  1. Você não criou uma “tribo” em torno da sua marca.

 

Muitas das empresas mais bem-sucedidas do mundo alcançaram seu status construindo uma tribo de marca – um grupo de pessoas que acreditam na marca e em sua missão, são intensamente leais a seus produtos e serviços e até promoverão a marca em sua vida diária.

Isso é especialmente prevalente em marcas de tecnologia como Apple ou Tesla, que alcançaram altas taxas de lealdade ao vincular seus produtos a um conjunto único de valores e crenças compartilhados entre o público-alvo. A marca se torna mais do que simplesmente um produto – ela se torna uma experiência e até parte de um estilo de vida.

Se seu público não parece muito engajado ou apaixonado, são grandes as chances de que a falta de narrativa coesa da marca seja pelo menos parcialmente responsável. Suas mensagens precisam criar um senso de solidariedade e pertencimento ao seu público-alvo. O marketing tribal de sucesso vai além das informações demográficas básicas e concentra-se em comportamentos que criam conexões mais significativas.

Além de otimizar seu próprio marketing, alavancar o poder dos influenciadores pode ser uma ótima maneira de criar sua tribo de marca. Um estudo realizado pelo Twitter constatou que 49% de seus usuários procuraram influenciadores para obter recomendações de produtos. É por isso que os depoimentos e entrevistas dos influenciadores desempenham papéis tão significativos na publicidade. Eles fornecem prova social, que é de particular importância quando se trata de superar barreiras de confiança ou entrar em um novo mercado.

Os influenciadores já criaram uma tribo baseada em sua personalidade, interesses compartilhados e estilo de comunicação envolvente. A parceria com influenciadores relevantes pode ajudar a contribuir para o crescimento da sua própria tribo de marca. Da mesma forma, basear seus padrões de narrativa nas técnicas usadas pelos principais influenciadores em seu nicho pode ajudá-lo a comunicar melhor sua história de maneira atraente.

 

  1. Você não está comunicando seu impacto.

 

Atualmente, não basta ser uma marca “divertida” ou “emocionante”. Mais e mais pessoas querem se envolver com marcas que acham que estão causando algum tipo de impacto positivo na sociedade. De fato, o Estudo Porter Novelli / Cone Purpose Biometrics de 2019 descobriu que 72% dos consumidores americanos consideravam importante comprar de empresas que refletissem seus valores. E cerca de 90% relataram ter probabilidade de comprar de uma empresa “orientada a objetivos”.

Isso revela dois problemas comuns em que a narrativa da marca geralmente fica aquém: não ter uma causa ou um objetivo significativo que você apoie e falhar em comunicar o que está fazendo para apoiar sua causa. As marcas que obtêm sucesso a longo prazo tentam impactar a vida de seus clientes de maneira significativa. Eles também se esforçam para tornar o mundo um lugar melhor.

Para que qualquer um desses esforços tenha resultados positivos na narrativa, eles devem resultar naturalmente dos valores da sua empresa e dos produtos e serviços que você oferece. Encontre uma causa relevante que você possa apoiar, como procurar maneiras de reduzir seu impacto ambiental. Anexar a sua marca a essas iniciativas e integrá-las às suas narrativas alimentará a lealdade e ajudará você a construir sua tribo.

No entanto, lembre-se de que é importante que esse elemento do bem social seja genuíno. Os consumidores são inteligentes e, se o seu impacto não se alinhar com o tom geral da mensagem e da missão da sua marca, não será tão eficaz.

 

Com uma narrativa de qualidade, sua marca se torna muito mais compreensível e atraente para o seu público-alvo. Você pode fazer conexões poderosas que alimentam a lealdade duradoura necessária para construir um negócio bem-sucedido. Ao se aprofundar em seus genes de contar histórias, você pode levar sua marca para o próximo nível.

 

Imagem cortesia: Pixabay