Trate todos com respeito, do presidente do conselho ao trabalhador de manutenção.

Os funcionários, especialmente os funcionários de startups, não respondem bem aos líderes cujas ações não correspondem às suas palavras. Equipes muito unidas reconhecem rapidamente quando seus chefes dizem uma coisa e fazem outra.

A liderança hipócrita reduz a produtividade dos funcionários, prejudica a moral no local de trabalho e diminui a capacidade de inovação da empresa, de acordo com o Interact. Quanto mais frequente a hipocrisia, mais dramáticos se tornam os efeitos negativos. Isso irá destruir sua startup… e rápido.

Liderar pelo exemplo é fácil quando as coisas estão indo bem. Qualquer um pode ser um jogador de equipe quando os produtos estão sendo vendidos, os clientes estão felizes e os desenvolvimentos estão progredindo. No entanto, quando os tempos ficam difíceis ou os ânimos se exaltam, os verdadeiros líderes devem se preparar para a ocasião e cumprir as promessas que fizeram.

Fique atento a esses momentos-chave em que os funcionários precisam dos fundadores para liderar pelo exemplo:

 

1. Riscos e falhas

A cultura de startups defende a atitude de risco dos inovadores bem-sucedidos. No entanto, quando os líderes dizem aos funcionários que assumem riscos e, em seguida, os punem por falharem, os funcionários veem a desconexão e param de tentar inovar.

Comunique-se abertamente sobre os riscos calculados que a empresa aproveite o feedback de funcionários que tentam coisas novas. O CEO da Netflix, Reed Hastings, disse à sua equipe que os shows da empresa estavam indo muito bem e os incentivou a arriscar mais em shows que não eram garantidos. Louco? Possivelmente. No entanto, os riscos calculados e as histórias inovadoras, e não os sucessos repetidos, manterão a Netflix lucrativa nos próximos anos.

 

2. Valores e missão da empresa

Se a marca defende os valores veganos, mas seus fundadores vão caçar todo fim de semana, os funcionários verão que a missão da empresa não significa nada. Com novos funcionários socialmente conscientes preenchendo a força de trabalho, as empresas devem permanecer fiéis aos seus valores para atrair e reter os melhores talentos.

 

3. Discriminação e assédio

Falhas famosas de liderança dentro da Uber e de outras empresas do Vale do Silício colocaram a questão do assédio no centro das atenções. Quando os funcionários veem seus colegas usarem da discriminação, do assédio sexual e de outras ofensas sem serem punidos, eles consideram seus líderes parcialmente responsáveis. Funcionários que assediam outros tomam

inércia como aprovação, enquanto aqueles sujeitos a assédio veem a inação como falha da liderança em protegê-los.

Despeça com força e rapidez qualquer pessoa dentro da organização que seja pega assediando ou discriminando outros funcionários. Quanto mais a empresa tolerar um assediador, mais danos a pessoa causará.

Participe de sessões de treinamento sobre assédio e discriminação ao lado de funcionários e leve as aulas a sério. Caso contrário, os funcionários podem ver esses treinamentos como menos importantes do que são.

 

4. Microgerenciamento

Os gerentes olham para seus líderes para modelar seus estilos de gerenciamento. Se seus líderes gerenciam seu trabalho constantemente, os gerentes fazem o mesmo com seus próprios funcionários. No entanto, se os líderes demonstrarem confiança a seus gerentes, eles farão o mesmo com seus subordinados diretos.

Dê aos departamentos a maior autonomia possível para criar uma atmosfera de confiança dentro da empresa. O microgerenciamento levará a uma maior rotatividade e gargalos, forçando os líderes a perder tempo em tarefas administrativas que deveriam ser delegadas para os outros.

Aja como o tipo de pessoa que merece ser um líder e os funcionários recompensarão esse respeito.

 

Imagem cortesia: Pixabay