Você luta com a procrastinação no escritório? Se for o caso, acredite ou não, isso pode não ser uma coisa tão ruim. 

 

Há sempre algo que você preferiria estar fazendo. Mesmo agora, você pode estar lendo este artigo em uma tentativa de evitar realizar um esforço menos palatável. 

A procrastinação é normal, especialmente nos dias de hoje. As mídias sociais, streaming de televisão e filmes, a facilidade de acesso à internet e a onipresença dos smartphones podem distrair. Existem muitas razões pelas quais as pessoas procrastinam, e isso sempre foi pensado como um bloqueio à produtividade. 

Mas a percepção da procrastinação nem sempre corresponde à realidade. 

A procrastinação não é apenas evitar ou atrasar uma tarefa, ela também tem que incluir um aspecto que é contraproducente, irracional ou desnecessário. 

De fato, a procrastinação ativa pode ajudá-lo a fazer mais coisas. Abaixo estão quatro razões psicológicas que explicam porque os empreendedores devem às vezes se inclinar para a procrastinação às vezes. 

 

  1. A procrastinação ajuda a estimular a criatividade

O criador da série West Wing, Aaron Sorkin, disse uma vez no Today Show: “Você chama isso de procrastinar, eu chamo de pensar”. Sorkin adia escrever algumas vezes até o último minuto, e os resultados falam por si. 

Mesmo se não formos todos escritores premiados, quando você está tentando criar algo, uma pausa não precisa ser uma distração. Pode ser simplesmente uma pausa, e essa ruptura pode abrir um mundo de novas ideias. 

Quando você se permite mais tempo para sentar e pensar sobre o que você está trabalhando, diferentes caminhos para um resultado podem borbulhar em seu cérebro. Para os empresários, a procrastinação pode ser a única coisa que desencadeia uma resposta que seria impossível alcançar se eles não deixassem suas mentes vagarem para longe da tarefa em mãos. 

 

  1. Procrastinação ajuda na memória

Em 1927, o psicólogo lituano Bluma Zeigarnik descobriu pela primeira vez como a interrupção de um evento pode realmente ajudar as pessoas a lembrar-se dele. Depois que seu professor notou que os garçons em um café próximo se lembravam de contas abertas melhor do que as que já haviam sido pagas, ela testou a hipótese dando uma série de quebra-cabeças para as pessoas completarem, enquanto sutilmente interrompia metade delas. 

Aqueles que foram interrompidos foram capazes de lembrar detalhes com 90% mais precisão do que aqueles que foram autorizados a completar a tarefa. O Efeito Zeigarnik foi suportado. 

O mesmo poderia ser dito para os empresários de hoje. Fazer uma pausa para o almoço, ir a academia, ler um livro, pular para outra tarefa ou simplesmente olhar pela janela, pode ajudá-lo a lembrar melhor as várias partes da missão que você está tentando finalizar. 

 

  1. Surpreendentemente, a procrastinação pode melhorar o foco

Isso parece um paradoxo em sua superfície. Como você pode se concentrar melhor interrompendo o que está fazendo – ou seja, procrastinando? 

Em vez de suportar a monotonia de trabalhar em uma única tarefa até que seja feita, é mais útil se afastar – pelo menos brevemente. A concentração diminui se não rompermos o tédio. Semelhante à criatividade desencadeadora, somos mais capazes de nos concentrar se dermos uma breve pausa. 

Um estudo em 2011 analisou esse efeito psicológico. Os indivíduos foram convidados a lembrar de dígitos aleatórios durante a execução de uma tarefa visual. Eles descobriram que uma vez que as pessoas foram solicitadas a lembrar os dígitos, seu desempenho na tarefa visual diminuiu com o tempo. Mas, quando os pesquisadores interromperam o exercício visual com lembretes esporádicos dos dígitos, suas pontuações visuais permaneceram altas, independentemente da duração. 

 

  1. A procrastinação geralmente produz melhores decisões

Muitas vezes, os empreendedores receberão um e-mail importante que precisa de uma resposta. Não há um cronograma apertado para a resposta, mas devido ao peso da pergunta, as pessoas deixam tudo para chegar a uma resposta. Se você não tiver um momento para se sentar e deixar que a importância total da questão se assente, você está sujeito a tomar a decisão errada. 

Pesquisadores da Columbia realizaram um experimento para testar essa ideia. Um pouco mais de tempo levaria a melhores decisões? 

Primeiro, eles pediram aos participantes que determinassem em qual direção um conjunto de pontos pretos estava se movendo pela tela. Ao mesmo tempo, um grupo de pontos coloridos começa a se mover para distraí-los. Os participantes foram convidados a julgar o mais rapidamente possível. 

Quando os pontos coloridos se moviam na mesma direção dos pontos pretos, os resultados eram basicamente perfeitos. Mas, quando eles se moviam em direções opostas, a precisão diminuía. 

Depois eles realizaram exatamente o mesmo experimento, mas os participantes foram solicitados a responder quando ouvissem um som de clique, que variaram entre 17 e 500 milissegundos – um intervalo de tempo destinado a imitar decisões da vida real, como dirigir. Os pesquisadores descobriram que quando as decisões foram atrasadas em cerca de 120 milissegundos, sua precisão melhorou significativamente. 

No entanto, os pesquisadores diferenciaram entre a tomada de decisão prolongada e atrasada. Se os sujeitos tomavam a decisão muito rapidamente, o cérebro ainda estava filtrando as distrações (pontos coloridos). Mas, se demorasse demais, poderia ser prejudicado por outras distrações. 

O mesmo poderia ser dito para a procrastinação. Se você procrastinar demais, ou por muito tempo, nada será feito. Mas, como vimos, existem alguns benefícios psicológicos sérios para a procrastinação. 

 

Imagem cortesia: Pixabay