O público está tendendo a interatividade, personalização e design abstrato.

 

Os anos 2010 foram definidos por startups de base tecnológica, como Uber e Airbnb, que abalaram grandes indústrias como transporte e hospitalidade. Embora seus produtos fossem revolucionários, no final das contas, foram as marcas de ponta que realmente levaram essas empresas ao próximo nível. Ao entrarmos em 2020, é importante buscar marcas que sejam tão atraentes e marcantes quanto aquelas que dominaram a última década.

Além disso, as gerações mais jovens, como a geração Y e Z, estão ganhando mais poder de compra, de modo que seus gostos determinarão a direção das tendências da marca. Aqui estão quatro tendências emergentes que as startups devem acompanhar ao criar uma marca notável.

 

  1. As experiências interativas incentivam o público a se envolver com seu conteúdo.

 

Como a publicidade direta tradicional continua a perder seu brilho com o público moderno, os clientes estão buscando novas experiências baseadas em tecnologia.

Essas tecnologias, como a realidade virtual e aumentada, permitem que o público interaja com suas marcas favoritas de maneiras totalmente novas. Marcas que encontram maneiras de se reinventar nos espaços digitais são vistas como inovadoras e intrigantes pelos millennials e pela geração Z.

No ano passado, a IKEA expandiu os recursos de seu aplicativo de realidade aumentada, permitindo que os usuários colocassem várias peças de móveis virtuais em seus quartos, essencialmente “testando antes de comprar”.

A capacidade dos clientes de visualizar facilmente móveis em seus próprios quartos os ajuda a interagir com a IKEA em um nível mais pessoal, tornando seu conteúdo e sua marca mais acessíveis aos consumidores do que nunca. Ao usar tecnologias imersivas como VR e AR, as marcas podem se posicionar como extensões das percepções de seus consumidores sobre o mundo.

 

  1. Imagens abstratas cativam o público.

 

A marca na moda é menos sobre os serviços que elas oferecem e mais sobre evocar emoções fortes, valores essenciais e ideias grandiosas. As imagens modernas da marca refletiram essa mudança ao se tornarem mais abstratas e sonhadoras do que nunca. Ao utilizar imagens mais ousadas, ecléticas e pós-modernas, as startups da moda promovem os aspectos mais etéreos de sua marca no momento em que esses intangíveis são mais importantes do que nunca.

O Skillshare, uma plataforma de aprendizado online focada nas artes criativas, frequentemente usa imagens abstratas em seu blog para promover sua marca como um centro de criatividade pronta para uso. As impressionantes imagens mostram a criatividade da comunidade da Skillshare, estabelecendo sua marca como um espaço digital no qual a imaginação com visão de futuro é incentivada.

 

  1. Animações cortam a estática.

 

O público moderno também está indo além das imagens estáticas, o que é evidente pela enorme popularidade dos GIFs nas mídias sociais.

No entanto, os GIFs são usados com tanta frequência agora que se tornaram um ruído de fundo, deixando seu objetivo original de fazer com que o público desacelere e se envolva com o conteúdo. Para remediar isso, as marcas de sucesso incorporaram movimento e animação a outros aspectos de sua presença online, a fim de capturar a atenção dos clientes.

Ao ter animações encantadoras espalhadas por toda a interface do usuário de seu espaço digital, as marcas podem tornar a interação com elas uma experiência mais agradável e estimulante para seus clientes.

O Mailchimp é uma plataforma de marketing digital que usa animações peculiares em todo o site para tornar seu espaço digital convidativo e não intimidador. Em vez de bombardear seus usuários com estatísticas e números, as animações simples e oníricas da Mailchimp colocam os clientes à vontade, incentivando-os a verificar o site e seus recursos.

 

  1. Nomear marcas de formas atraentes intriga o público.

 

Para startups, produtos incríveis ou novos serviços inovadores não são suficientes para se destacar. Sua empresa deve estabelecer uma marca atraente e elétrica, e o primeiro passo para alcançar essa conexão com o público é através do nome.

Um nome pode facilmente criar ou quebrar sua marca aos olhos do seu público, portanto, decidir um que chame a atenção positiva e fique na mente de seu cliente é essencial para o processo de branding.

À medida que as marcas modernas estão mudando para se tornarem mais pessoais, os nomes estão seguindo o mesmo caminho. Muitos nomes, como Discord (uma plataforma social projetada para jogos) e Slack (um serviço de mensagens instantâneas criado para o local de trabalho) são poderosos e não convencionais, apesar de sua simplicidade.

Outros, como a empresa de colchões Purple, usam nomes pouco comuns em combinação com logo bem-humorados e peculiares para obter uma quantidade enorme de atenção em indústrias com marcas tradicionalmente “chatas”.

Algumas marcas chegam a usar nomes irônicos (como The Boring Company, de Elon Musk), combinando jogo de palavras com um nome que antes era considerado contraintuitivo para se destacar da concorrência.

 

O público está buscando marcas alinhadas com seus valores.

 

O principal ponto em comum entre essas quatro tendências de marca é a ideia de que as startups não devem mais girar em torno de seus produtos ou serviços, mas nos intangíveis – suas declarações de missão, personalidades e espírito empreendedor.

À medida que as mídias sociais diminuem drasticamente a lacuna de comunicação entre clientes e marcas, o público está olhando para marcas que são mais pessoais e humanas.

Eles os veem quase como “amigos” e, como qualquer outro amigo, esperam que essas marcas tenham ideologias alinhadas às suas.

 

Imagem cortesia: Pixabay