Independentemente do produto ou serviço que você vende, como proprietário do seu negócio, você está realmente vendendo a si mesmo. Siga estas cinco dicas para criar uma marca pessoal que se conecte com os clientes.

 

Como empreendedor, você precisa criar e gerenciar sua própria marca pessoal. Você pode pensar que está vendendo um produto, um serviço, um plano financeiro ou qualquer outra coisa para seus investidores, chefes de divisões, parceiros ou funcionários. Para ter certeza, essas coisas são uma parte essencial do seu negócio. Mas é tudo sobre você, porque as pessoas investem em pessoas. Cada ação que você toma ajuda os outros a definirem você.

Eu realizo um exercício de marca pessoal em um dos meus programas. Normalmente, existem cerca de 20 pessoas na sala. Encorajo-os a se misturarem enquanto tomam café da manhã antes do evento. Quando é hora de começar, convido os participantes a se sentarem em seus assentos designados. Na mesa em frente a cada um deles, há um cartaz e peço que imprimam os nomes deles para que todos no grupo possam ver. Cada pessoa recebe uma pilha de fichas. Peço a eles que olhem ao redor da sala, escrevam o nome de uma pessoa em cada um de seus cartões e anotem as primeiras cinco palavras que vêm à mente quando pensar nessa pessoa. Um assistente, em seguida, coleta todos os cartões, insere todas as palavras que o grupo usou para descrever cada participante em um arquivo e as imprime para que cada participante veja apenas as palavras usadas para descrevê-lo.

Normalmente, as pessoas ficam chocadas e horrorizadas pela maneira como os outros as veem. Por exemplo, uma pessoa pode pensar em si mesma como extrovertida, mas o cartão mostra que o grupo acha que seu comportamento é desagradável. Outra pessoa acha que ela incorpora sucesso e confiança, mas o grupo a vê como arrogante e distante. Muitas vezes, a forma como os outros os veem simplesmente não sincroniza com a história em que a pessoa acredita sobre si mesma. Não é de admirar que eles não estejam obtendo os resultados desejados quando tentam vender suas ideias ou levantar capital em seus negócios. Claramente, o que eles estão projetando não é o que eles precisam para conquistar as pessoas.

O que essa pilha de cartões diz sobre você? Qual é a impressão que você está deixando para os outros quando está tentando construir sua equipe? Essa marca pessoal está servindo a você ou sufocando seu crescimento? Isso está levando você para mais perto ou mais longe de seus objetivos?

Aqui estão cinco etapas para assumir o controle de sua marca pessoal:

 

1. Identifique seu objetivo.

A primeira coisa que você precisa fazer é deixar muito claro o que você deseja alcançar. Você quer lançar um novo produto que amplie a marca da sua empresa no mercado? Você quer fechar um financiamento para um grande projeto? Criar uma equipe de estrelas para ajudar a transformar sua empresa local em uma franquia global? Quem você precisa ser para atingir esse objetivo? Que imagem você precisa projetar para levar os outros junto com você?

 

2. Entenda onde você está agora.

Onde você está hoje em relação à onde você precisa estar? Qual é a lacuna e que mudanças você precisa fazer para preencher essa lacuna?

Para responder a essa pergunta, consulte as cinco pessoas com quem você passa mais tempo e peça que descrevam sua marca. Em seguida, estenda sua pesquisa para outras pessoas com as quais você teve menos interações. Conhecidos mais distantes podem oferecer informações ainda mais valiosas, porque se baseiam em primeiras impressões mais imediatas. Ao entender como os outros veem você, você aprenderá o que precisa ser alterado. Se eles disserem que você é reservado, quando você se considera tímido, essa é uma área de sua apresentação pessoal na qual você precisa trabalhar. Tal conhecimento sozinho pode ser curativo.

 

3. Reconheça o que seus hábitos diários dizem sobre você.

Os hábitos diários podem ter um grande impacto na forma como as pessoas o reconhecem. Seus trajes, maneiras e grau de organização contam às pessoas sobre você – e a apresentação certa comunica que você está preparado e tem orgulho de quem você é e do que você faz. Por exemplo, quando alguém está fisicamente em forma e realmente cuida de si mesma, ela se apresenta como disciplinada, comprometida e capaz de seguir adiante. As pessoas podem ver e ouvir uma energia em sua presença física imediatamente. Pequenas coisas fazem uma grande diferença, mesmo que seja apenas o corte de suas roupas ou o calor do seu aperto de mão – e você pode assumir o controle delas.

 

4. Aproveite a tecnologia para definir e reforçar sua marca.

A maioria das pessoas será apresentada pela primeira vez online, quando digitar seu nome em uma caixa de pesquisa do Google ou visitar seu perfil do LinkedIn, Facebook ou Twitter. Eles verão as fotos e os vídeos que você distribui de si mesmo e o que lhes interessa. Use essas ferramentas para sua vantagem: tire uma foto profissional, inclua um link para seu website e verifique se seu resumo é breve e direto.

 

4. Seja você mesmo.

Ao desenvolver uma marca pessoal, a autenticidade é fundamental. Se você tentar se passar por alguém que não é, as pessoas descobrirão e isso prejudicará sua credibilidade. Seja original e criativo. Apresente uma versão sincera, elevada, mas precisa, de si mesmo. Não tente ser o que você acha que outras pessoas querem que você seja. Quando investidores e clientes se encontram com você, você quer que eles pensem: “essa é uma pessoa com a qual quero fazer negócios”.

 

Imagem cortesia: Pixabay