As empresárias enfrentam desafios especiais no mundo dos negócios.

 

Há muitos desafios que as mulheres enfrentam no ambiente de trabalho moderno – e isso vale em dobro para a sala de reuniões ou ao tentar romper o sempre presente ‘teto de vidro’. Essas questões nunca são mais desafiadoras do que quando uma mulher decide que vai começar “sozinha” como empreendedora. Com a dificuldade em conseguir um financiamento razoável, confrontando o preconceito de gênero e a escassez de mentores apropriados e a curva de aprendizado diminuta, uma empresa de propriedade e administrada por uma mulher pode enfrentar uma verdadeira luta pela sobrevivência.

Devido a esses desafios especiais, algumas pessoas retrógradas ainda insistem que as mulheres não são barradas quando tentam se tornarem proprietárias de empresas por si mesmas. Esse tipo de mentalidade negativa aumenta, infelizmente, quando a mulher é uma pessoa de cor ou com alguma debilidade física – ou de qualquer outra forma marginalizada por preconceitos masculinos persistentes. Para quebrar essas barreiras persistentes ao sucesso, as mulheres devem estar dispostas a entender e reconhecer os problemas que enfrentam ao iniciar um empreendimento. Com o entendimento vem a determinação de não deixar que tais conceitos medievais perturbem seus planos e ajudem a capacitar mais mulheres empreendedoras.

 

Encontrar o dinheiro

Credores tradicionais, como bancos e cooperativas de crédito, são alguns dos piores criminosos quando se trata de preconceito de gênero. Estudos mostram que tais instituições de crédito continuam resistentes a emprestar capital a mulheres empresárias, na medida em que seu índice de aprovação é 20% menor do que para homens que estão iniciando suas próprias empresas. Embora as mulheres tenham um acesso saudável aos emprestadores alternativos que oferecem empréstimos comerciais, o que, de certa forma, equilibra o campo de jogo, esses outros credores, geralmente on-line, cobram taxas de juros que são sempre mais altas do que um banco comum. Então, isso significa que um negócio de propriedade de uma mulher começa com uma carga de dívidas mais pesada.

Uma alternativa que parece estar trabalhando a favor das mulheres, no entanto, é o aumento das iniciativas de crowdfunding. Este é um local completamente neutro em termos de gênero para levantar capital para novos negócios.

 

Mentoria

O processo de orientação é uma necessidade reconhecida para a maioria dos empreendedores do sexo masculino, e existem muitos canais através dos quais um homem pode obter ajuda de outro homem mais velho e experiente para iniciar um novo negócio. O mesmo não pode ser dito para as mulheres – ainda. Felizmente, os números estão indo em uma direção encorajadora.

Enquanto a infraestrutura tradicional, como os bancos, ainda é dominada por homens, outras áreas, especialmente em vendas e marketing, estão agora se tornando rapidamente equalizadas entre homens e mulheres, e uma mulher que está iniciando seu próprio negócio deve procurar o marketing e/ou setor de vendas para encontrar um mentor experiente para ajudá-la a navegar através das correntes do oceano que é iniciar um novo negócio.

 

Quebrando estereótipos

O comportamento centrado no homem é a ruína de todas as mulheres que estão alimentando seus próprios startups. O assédio sexual, embora agora seja um assunto que está sendo amplamente divulgado em público, não desapareceu – nem as atitudes que o estimulam nos homens. Uma mulher no mundo dos negócios hoje deve se posicionar como uma pessoa com autoestima e orgulho de sua própria personalidade e realizações, e nunca se prostrar diante de interações sociais dominadas por homens. Os homens respeitam a força e, portanto, a empreendedora deve permanecer forte enquanto molda suas próprias forças individuais e lida com suas próprias fraquezas individuais. Essa é a única maneira que o verdadeiro sucesso dos negócios pode ser alcançado.

 

Imagem cortesia: Pixabay