Um aperto de mão não é suficiente para um acordo de parceria

Legalmente, você ainda pode criar um acordo geral de parceria com um aperto de mão, mas isto não é inteligente. Como qualquer relação, as parcerias são repletas de oportunidades de desentendimentos e mal-entendidos. Mas, ao contrário da maioria dos relacionamentos, uma vez que você insere um acordo de parceria com alguém, você está legalmente ligado a eles até que a parceria seja oficialmente dissolvida.

O uso de um acordo de parceria por escrito para formalizar sua joint venture salva você de um sofrimento, porque permite que você e seus parceiros concordem sobre como você vai lidar com situações específicas antes de surgirem. Isso tornará a operação diária da sua parceria mais suave, e evitará que os problemas se intensifiquem em crises completas.

E não descarte a necessidade de um acordo de parceria porque o seu parceiro é seu bom amigo. Algumas das quebras de parceria mais feias ocorrem entre amigos que presumiram que sabiam o que seu amigo pensava ou faria. Lembre-se de que, para parcerias gerais, cada parceiro é solidariamente responsável por quaisquer dívidas/responsabilidades incorridas pelo negócio.

 

Elementos de bons acordos de parceria

 

Um bom acordo de parceria tem que fornecer respostas para essas questões:

 

  • Qual será a contribuição financeira de cada parceiro?

A memória é fluida e não confiável. Você deve garantir que a contribuição financeira que cada parceiro traz para a parceria seja anotada em seu contrato, para caso ocorra um desacordo posterior. Pode ser que alguns parceiros contribuam com mais capital inicial para o empreendimento do que outros. Nesse caso, os outros podem contribuir com a “equidade do suor”, que deve ser avaliada e especificada no contrato.

 

  • Qual é a divisão de trabalho entre os parceiros?

É fundamental que isso seja resolvido antes de começar a operar, porque esta é a maneira mais comum de que os parceiros se desentendam. O que cada parceiro realmente fará? Quem é responsável por quais decisões?

 

  • Qual será a renda de cada parceiro?

Obviamente, você espera que sua parceria traga lucro. Mas como os parceiros obterão renda desses lucros? Se for acordado que os parceiros terão salários, quanto será e com que frequência?

 

  • Como as contas bancárias serão gerenciadas, e como as questões contábeis e tributárias serão tratadas?

Obviamente, sua parceria precisará de uma conta bancária do negócio. Mas como os privilégios de assinatura da conta serão configurados? O seu negócio usará uma linha de crédito? As compras podem ser feitas sem o consentimento de outros parceiros? Vocês usarão um contador?

 

  • Como as disputas entre os parceiros serão resolvidas?

É muito bom dizer que “vamos nos sentar e discutir qualquer questão que surgir”. E você e seus parceiros podem fazer isso. Mas isso não significa que você concordará. Passar a sua disputa para um mediador acordado com antecedência é uma forma de quebrar os impasses. Outra é usar um conselho consultivo de negócios para resolver disputas. Seja como for, escolha em seu contrato de parceria.

 

  • O que acontece se um parceiro morrer ou ficar incapacitado?

Se um parceiro ficar incapacitado ou morrer, como o outro irá gerenciar o negócio? Fazer arranjos antes da necessidade pode significar a diferença entre poder continuar ou colapsar. Um acordo de compra é uma possível resposta.

 

  • O que acontece se um sócio quiser deixar a parceria?

Esta é também uma situação que deverá ser prevista em seu acordo. As questões devem cobrir incluir se um parceiro inicial desejar sair, se a parte dele deve ser comprada, qual o valor a ser pago, e quem pode comprar. (Isso pode ser limitado a outros parceiros, por exemplo.)

 

  • Como a venda do negócio será tratada?

Se a venda do negócio é o plano, os parceiros precisam concordar antecipadamente quanto ao processo de venda e o valor que seria aceitável, e estas são duas áreas comuns de desacordo futuro. Comumente, um parceiro sente que investiu mais na parceria ou trabalhou mais, então merece a uma participação maior.

 

Os acordos de parceria são essenciais

 

O planejamento antecipado evita disputas e disputas judiciais dispendiosas mais tarde. Não importa o quão amigo seu parceiro potencial você seja, você nunca deve entrar em uma parceria comercial com ele sem um acordo de parceria formalmente elaborado.