O cenário habitacional mudou dramaticamente nas últimas gerações, desde as casas de conjuntos habitacionais, até aos apartamentos compactos das grandes capitais. Se antes, entrar no mercado imobiliário e comprar parecia a coisa mais certa a fazer, independentemente de sua situação. Além do acesso facilitado aos financiamentos, ainda havia mais “espaço” para construção nas cidades, o que oportunizava o desenvolvimento de residências multifamiliares, e o desmembramento de terrenos para a construção de novas casas.

Hoje, não apenas as preferências no mercado imobiliário que mudaram; também a mentalidade em torno de possuir uma casa. O aluguel, cada vez mais, é uma opção mais desejável, seja como uma escolha deliberada ou uma motivada por problemas financeiros e escassez de habitação. Muitos acham que os trabalhadores do novo milênio são os grandes responsáveis por esta mudança de tendência. Embora existam diferenças entre a visão de quem prefere comprar versus alugar, todas as gerações agora estão procurando alugar como escolha de estilo de vida, por sua flexibilidade. De acordo com pesquisas recentes, comprar uma casa não é a prioridade de muitos trabalhadores, independentemente da idade.

Aqui estão os estilos de vida refletidos por cada geração, e como comprar ou alugar uma casa afeta cada um.

 

Os sonhadores

 

Os sonhadores cresceram durante uma época em que a habitação era acessível e abundante, e o sonho da casa própria era algo dominante. No entanto, enquanto os membros deste grupo são mais propensos a possuir uma casa do que as gerações mais novas, isso não significa que eles são categoricamente contra o aluguel.

De acordo com pesquisas, este tipo de trabalhador está optando por vender suas casas mais afastadas dos grandes centros urbanos ou muito distantes de seus locais de trabalho para viver em prédios de aluguel, onde consigam encontrar amenidades completas. A escolha entre viver em locais mais próximos, poupar tempo de deslocamento até o trabalho e ter mais amenidades dá maior flexibilidade a este tipo de trabalhador.

 

Geração X

 

Os membros da Geração X não são tão flexíveis em suas preferências de estilo de vida e habitação como alguns de geração mais jovens, mas não estão muito atrás dos milênios. De acordo com pesquisas, eles permanecem no mercado de aluguel mais do que o esperado. A razão, em parte, é que as rendas mais elevadas e os salários estagnados tornam mais difícil economizar para uma entrada em financiamento.

Mas há outro motivo além das finanças que fazem a Geração X renunciar a sua própria casa: a pesquisa mostrou que esta faixa etária pode estar ansiosa demais para conseguir um estilo de vida rápido e elegante. Por exemplo, mais de um terço da Geração X pesquisada preferiria alugar no lugar de comprar uma casa, se isso significasse a flexibilidade para mover e explorar oportunidades de emprego e evitar responsabilidades de manutenção no lar.

 

Millennials

 

Os milenaristas têm a reputação de renunciar às normas tradicionais e estão entrando no mercado imobiliário como compradores domésticos muito mais tarde do que as gerações anteriores. As taxas de compra de casa deste grupo caíram mais rapidamente do que em qualquer outra faixa etária. Enquanto alguns se sentem pouco tentados a efetuar uma compra devido as dívidas astronômicas que adquiriram em financiamentos educacionais, outros simplesmente não vêem o valor de possuir como algo melhor que o aluguel.

Em vez disso, eles querem economizar e usar seu dinheiro para aprimoramentos de estilo de vida, como em viagens. Na verdade, quase metade deste grupo prefere economizar seu dinheiro para gastar em viagens do que colocá-lo para comprar uma casa.

E não se trata apenas de viagens, mas os prazeres do estilo de vida em geral. Quarenta e sete por cento dos Millennials pesquisados disseram que prefeririam alugar se isso significasse que eles ainda podiam pagar luxos pequenos como comer fora e tomar cafés extravagantes em suas vidas cotidianas, em comparação com 36 por cento das idades entre 35 e 44.