Ao contrário de todos os comentários sobre “colaboração” e “escritórios abertos”, estudos científicos mostram que os funcionários são mais felizes e “massivamente” mais produtivos quando trabalham remotamente a maior parte do tempo.

O trabalho de casa, no entanto, não é uma panaceia desvairada. Se empresários e gerentes desejam que suas empresas e equipes sejam bem-sucedidas, devem aprender a motivar e envolver funcionários à distância.

Segundo as pesquisas feitas com diversos profissionais da área motivacional, existem cinco maneiras certas de motivar e envolver aqueles que trabalham desde casa.

 

  1. Compreender o desafio.

 

Ao contrário dos empregados que comemoram regularmente cada pequena vitória, os funcionários do trabalho de casa são menos propensos a serem influenciados pelo comportamento (bom ou ruim) de seus pares. Embora não sejam susceptíveis de inspirar-se em modelos positivos, é igualmente improvável que adotem maus hábitos.

A falta de pressão dos pares significa que os gerentes devem assumir a responsabilidade por manter os funcionários do trabalho em casa “conectados” aos objetivos e expectativas da organização. Isto é especialmente verdadeiro em organizações que possuem uma cultura forte que “normaliza” um comportamento bem-sucedido.

 

  1. Se possível, peça ao empregado que se encontre com você pelo menos uma vez por semana.

 

De acordo com estudos recentes, apenas 30% dos funcionários que se deslocam diariamente estão “engajados” no trabalho, o que significa que eles possuem um sentimento de pertencimento e responsabilidade para com a organização. Da mesma forma, apenas 30% dos funcionários que trabalham em casa sentem como se fizessem parte da empresa para a qual prestam serviço.

Em contraste, 41% que viajam para trabalhar um ou dois dias por semana (e trabalham em casa o resto do tempo) estão envolvidos no trabalho. Aparentemente, uma visita semanal ao escritório ajuda os funcionários que trabalham de casa a permanecerem conectados, mesmo enquanto mantêm sua independência.

 

  1. Programe reuniões online regulares.

 

Se o funcionário que trabalha em casa vive muito longe para se deslocar, agende reuniões online frequentes para discutir o trabalho, forneça coaching e dê ao funcionário a sensação de mudar as prioridades e a forma como a organização funciona ou está mudando.

O importante aqui é que, como os funcionários do trabalho de casa não sabem o que não sabem, os gerentes não podem depender deles para saber quantas reuniões serão necessários, ou quando é uma boa ideia ter um encontro.

 

  1. Fornecer orientação clara.

 

Como não há pistas visuais para avaliar as emoções, os funcionários do trabalho de casa podem facilmente começar a se preocupar que seu gerente esteja com raiva ou irritado porque ele ou ela possa ter interpretado mal que eles fizeram ou disseram (como em um e-mail). Esse “ruído” emocional pode muito distrair.

A maneira mais fácil de evitar isso é criar uma atmosfera de sinceridade e de respostas rápida. Se os funcionários que trabalho de casa sabem que comentários serão realizados quando algo estiver errado, eles ficarão menos propensos a se preocuparem com problemas que não existem.

 

  1. Pague-os prontamente.

 

Muitas empresas colocam seus freelancers (que, geralmente, trabalham em casa) no fundo da lista de quem precisa ser pago. Não ser pago na data agendada diz aos funcionários que trabalham em casa que eles não são realmente parte da equipe e sua contribuição não é realmente importante.

Se uma empresa está enfrentando problemas financeiros, o fardo deve ser compartilhado entre todos, e não impostas a quem trabalha em casa. Se uma empresa está bem financeiramente, não há desculpa para não pagar no prazo. Ponto.

 

5.5. Utilize a tecnologia apropriada.

 

Este pode ser um dos pontos mais importantes na dinâmica do trabalho em casa, e da comunicação entre gerentes, gestores e colaboradores.

Alguns dispositivos, como o Slack, podem ser eficientes, embora também possa ser percebido que os dispositivos tipo o Slack tendem a se tornar dependentes novamente no e-mail. Contar com ferramentas de videoconferência, como o Skype, também é útil.

 

Imagem cortesia: Pixabay