Ahhh, as festas de final de ano. É hora de peru, pernil, encontrar com aquele tio do “pavê”, e ouvir e muitas perguntas da família sobre o que você realmente está fazendo com sua vida agora, entre as mordidas de todas as milhares de comidas gostosas.

Mas se você é terminou a faculdade recentemente ou está se preparando para uma grande mudança de carreira, perguntas como esta podem ser especialmente desafiadoras para lidar.

Use essas dicas quando for a sua vez de explicar o que você faz na mesa do jantar.

 

Não enfie a cabeça em um buraco

 

É uma coisa comum, e até tentadora de fazer: ignorar as possíveis perguntas e fazer de conta que ninguém está questionando com o que você trabalha. O melhor nestes casos é: Ao redor da mesa de jantar, diga: “eu percebo que alguns de vocês não tem ideia do que eu faço. E está tudo bem, provavelmente não dei a explicação completa. Caso você se pergunte, eu trabalho no departamento de contabilidade de uma empresa que cria aplicativos para alimentos…”. Claro, esta provavelmente não será a conversa mais natural que você já teve com sua família, mas certamente você se poupará de responder perguntas mais invasivas (e poupará pelo menos um dos seus parentes de perguntar tais coisas).

 

Abandone seus jargões, por favor

 

É melhor deixar de fora toda a fala corporativa enquanto estiver sob os olhares atentos de seus familiares e amigos mais próximos, que provavelmente buscaram caminhos diferentes.

Quando você está falando com pessoas que estão fora do mercado de trabalho há algum tempo, é importante evitar jargões do meio comercial e simplificar suas responsabilidades diárias. Em vez de se concentrar em suas explicar suas tarefas do dia-a-dia, fale sobre o resultado final do seu trabalho árduo. Por exemplo, um webdesigner pode dizer: “Eu crio sites mais organizados, por isso é mais fácil para as pessoas encontrarem o que precisam”. Destaque como seu trabalho contribui para a missão geral da organização, enfatiza a estabilidade a longo prazo e as habilidades técnicas de downplay (para evitar se tornar o help desk de toda a família).

 

Coloque os “pontos de dor” no contexto

 

Tudo o que fazemos é projetado para aumentar o prazer ou diminuir a dor. Então, ao invés de apresentar seu trabalho apenas com os benefícios, como indicado acima, você poderia compartilhar a dor que o trabalho causa. Com base no seu público, você terá que decidir qual caminho é mais atraente para as pessoas.

Saber se você deve direcionar seu discurso para o lado bom ou ruim vai depender diretamente do tipo de público que você possui, e de que forma eles vão receber e interpretar as informações que você compartilhar. Dependendo do perfil, mais vale mais a pena falar apenas o negativo.

 

Quando as coisas saem dos trilhos, coloque o fosso

 

Todos têm sua própria definição de sucesso. Mas, com a inevitabilidade de ter uma posição complicada – ou que não existia há uma década – você é obrigado a perder alguém durante sua explicação.

Depois de mencionar que você não deve interpretar erroneamente a confusão de alguém sobre o que você faz da vida como desaprovação, é preciso abrir a mente para o que as pessoas idealizam como o real significado de “estar bem”.

Com isto, não quer dizer que você não possa defender seu estilo de vida, mas é preciso ser flexível para entender que nem todos vão pensar no empreendedorismo como a forma mais segura de manter um estilo de vida. O empreendedorismo vem com muitos riscos, e certamente é compreensível o porquê disto ser assustado.

Você pode continuar explicando como você explicou suas incertezas financeiras ou mesmo se tornar vulnerável sobre suas esperanças, sonhos e medos.

 

Imagem cortesia: Pixabay