O que as batatas fritas, post-it, curativos e penicilina têm em comum?

Todos foram criados comendo erros. De fato, em cada caso, o inventor estava tentando criar algo completamente diferente e achou que havia falhado com o produto final. Claro que, à medida que as décadas se passaram e os lucros foram obtidos, o benefício da retrospectiva nos diz que essas chamadas falhas foram realmente triunfos. É como esse velho ditado sobre Thomas Edison e a lâmpada: quando questionado em suas muitas falhas, ele respondeu que não falhou 10.000 vezes, mas conseguiu encontrar 10.000 métodos que não funcionariam.

Falha, erros, contratempos — todos eles desempenham um papel vital em ajudar os funcionários a aprender e crescer também. Infelizmente, no entanto, as organizações penalizam erros e criam funcionários avessos ao risco, muito tímidos ou nervosos para tentar qualquer coisa nova. Esta é uma receita para a estagnação. As melhores empresas são aquelas que encorajam o fracasso, adotam o pensamento fora de moda e permitem que os funcionários cometerem erros e ver o que acontece.

 

Seu cérebro realmente expande com o fracasso

 

Algo interessante acontece com o cérebro quando comete um erro. De acordo com pesquisas neurocientíficas, seu cérebro começa a compilar informações sobre a experiência e, de fato, cresce ao longo do cenário de aprendizagem. E, enquanto o cérebro volta ao tamanho original após a experiência de aprendizado, ele mantém novos caminhos neurais, levando novas informações, compilando as principais soluções de tentativa e erro. Começar erros mata o cérebro, resultando em sinapses mais eficientes e neurônios fundamentalmente alterados. Em suma, o fracasso pode realmente torná-lo mais inteligente.

 

A liderança deve encorajar erros

 

Sim, isso pode parecer louco no início, mas as equipes que abraçam os erros conseguem mais sucesso. O que se percebe é que abraçar os erros dá aos funcionários a confiança para tentar coisas novas e não se sentir mal se não funcionar de uma só vez. Os melhores inventores experimentam continuamente novas ideias, descobrem quais não funcionam e levam consigo uma ou duas ideias que geraram resultados. O que se percebe é que aplicar isto à gestão empresarial, impulsiona muito mais inovações e felicidades mais profundas dos funcionários por meio da criatividade encorajada.

Mas como uma organização vai de um lugar onde os erros são penalizados para um ambiente em que o fracasso é abraçado e encorajado? Algumas mudanças importantes no ecossistema da sua cultura podem criar um espaço mais seguro onde os funcionários se sentem capacitados para tentar algo novo.

 

  • Lidere pelo exemplo. Se os funcionários precisam aprender que o fracasso é encorajado, ele precisa começar com o gerenciamento. Os líderes das organizações não só devem demonstrar a importância de tentar novas soluções, mas também estar bem e até mesmo receber os outros fazendo o mesmo. Pode exigir uma mudança de mentalidade de cima para baixo, mas tenha em mente que os funcionários terão suas dicas de seus líderes.
  • Incentive a transparência. Os funcionários devem se sentir à vontade para comunicar ideias em diferentes departamentos e canais. A transparência no local de trabalho ajuda a reduzir a tendência de ocultar ou ocultar erros. Afinal, se todos estiverem à vontade compartilhando ideias e falhas, estabelece um precedente de que não é grande coisa e que todos os funcionários podem aprender com os sucessos e as falhas dos outros. Em nossa empresa, usamos o Slack como uma maneira para todos na equipe compartilhar novas idéeas, ver o que cada departamento está trabalhando e entender onde a visão da empresa é em todos os momentos.
  • Incentive falhas. Deixe os funcionários saberem que se eles tentarem algo novo (e potencialmente falhar) que deve ser feito rapidamente. Isso não significa necessariamente conseguir sucesso, mas sim tentar algo novo até conseguir desenvolver algo. Em vez de criar um manual de 50 páginas, por exemplo, um funcionário pode criar um esboço e pedir opiniões para ver se está no caminho certo. Dessa forma, se acabar sendo uma falha, poucos recursos foram usados e o empregado pode se mover para uma solução diferente rapidamente.
  • Crie simulações. Se os funcionários parecem hesitantes em tomar decisões e testar novas ideias em uma configuração do mundo real, use simulações para ajudá-los a praticar habilidades de tomada de decisão em um espaço seguro. Algumas simulações são óbvias, como para aprender a usar uma nova peça de equipamento. Mas simulações e cenários também podem ser usados para testar conceitos como novas táticas de vendas ou exercícios de criação. Quando os funcionários sabem que as apostas são baixas, estarão mais dispostos a falar e a fazer sugestões sem repercussões.

 

Se você está criando a próxima revolução do mercado ou está tentando aumentar a satisfação do cliente, sua força de trabalho é uma riqueza de conhecimento, experiência, criatividade e inovação. Infelizmente, se eles se sentem sufocados ou assustados para cometer erros, sua organização não conseguirá colher esses benefícios. Ao encorajar o fracasso e todos os benefícios que advêm de erros, a sua empresa pode tornar-se oficialmente um lugar de aprendizagem superior.

 

Imagem cortesia: Pixabay