Em uma cultura onde prevalecem pequenas mentiras, você deve priorizar a verdade.

 

Eu levantei algumas rodadas de financiamento como empresário e CEO, e frequentemente ouço empresários iniciantes que querem saber como eu mantenho um bom relacionamento com meus investidores. Afinal, pode ser um relacionamento volátil. Muitos investidores nunca foram empreendedores, portanto, nem sempre entendem o que você está passando. Mas, ao mesmo tempo, eles colocam a carteira em risco para você. Como você pode garantir que todos estejam felizes?

O que digo aos empresários que me perguntam é: seja sincero. Não minta. Essa é a chave para um relacionamento saudável e produtivo. Isso pode parecer senso comum, mas pequenas mentiras correm desenfreadas nas relações empreendedor-investidor, e isso precisa parar.

Ouvimos repetidamente sobre escândalos em empresas como a Theranos, onde os investidores ficaram no escuro sobre se o produto que estavam apoiando funcionava. Ou, em uma escala menor, quando foi a última vez que você ouviu um empreendedor garantir a uma audiência – talvez até na imprensa – que eles estavam “arrebentando”, apenas para saber que a empresa deles estava realmente prestes a falir?

Muito poucos de nós pretendem mentir, mas todos nos acostumamos a níveis crescentes de desonestidade, especialmente quando transmitimos nossas vidas online. Uma pesquisa da CareerBuilder.com descobriu que 56% dos empregadores encontraram evidências de candidatos mentindo em currículos, o que é baixo quando você o compara aos 90% das pessoas que mentem em aplicativos de namoro. Mesmo se não estivermos no mercado de namoro, é provável que também mentimos regularmente nas mídias sociais. Em muitos níveis, isso é compreensível; queremos que as pessoas ao nosso redor nos vejam positivamente, em parte porque isso nos faz sentir bem também.

Mas isso se torna particularmente problemático para as relações empreendedor-investidor. A menos que você seja uma empresa pública, tecnicamente não é necessário divulgar muito, e muitos fundadores querem contar aos investidores o que eles acham que querem ouvir. No entanto, se você quiser mantê-los ao seu lado, a honestidade deve ser sua principal prioridade. Como as empresas costumam angariar várias rodadas de financiamento antes de uma saída bem-sucedida, é provável que você esteja solicitando capital adicional aos mesmos investidores. Pesquisas descobriram que a falta de autenticidade aparece na comunicação interpessoal, mesmo subconscientemente, e pode corroer a proximidade da conexão entre as duas partes.

Quando surgir o desejo de enganar ou mentir, considere estas quatro estratégias para ajudar a manter uma consciência clara e a praticar bons negócios.

 

  1. Mantenha suas expectativas realistas.

 

Quando você está no comando de uma empresa em crescimento, especialmente uma que está em um campo inovador, há uma tentação de deixar sua imaginação correr solta quando se trata de possibilidades. Quero dizer, com certeza, sua empresa pode ser um “unicórnio” de um bilhão de dólares algum dia, mas a realidade é que 75% das startups apoiadas por empreendimentos, falham. Seus investidores sabem disso. É por isso que suas tentativas bem-intencionadas de garantir que eles te apoiem pode fazer com que você pareça estar fora de contato com a realidade na melhor das hipóteses. Ou mentindo, na pior delas.

 

  1. Fique à frente do problema.

 

Talvez você tenha tido um problema com um protótipo ou sua empresa não atendeu às metas de vendas. É comum querer enterrar a cabeça na areia e esperar que tudo acabe sem que seus investidores descubram, mas vamos ser reais – esse nunca é o caso. Quando você encontrar um problema, notifique seus investidores imediatamente e exponha seus planos para resolvê-lo. Se o seu investidor souber do problema por meio de outra pessoa, você corre o risco dele obter uma imagem imprecisa ou incompleta, e eles se perguntam por que você não os alertou.

Sempre que há algo que, inesperadamente, possa aparecer na imprensa ou nas negociações com investidores, faço tudo o que posso para notificá-los com a maior antecedência possível. Mesmo que seja algo de relevância periférica (por exemplo, “Ei, um de nossos concorrentes está prestes a ser adquirido por uma grande empresa de refrigerantes”), isso mostra que você está vigilante em manter os investidores atualizados e enfatiza que você se preocupa mais do que apenas pegar o dinheiro deles.

 

  1. Compartilhe suas soluções.

 

Eu tive que contar a meus investidores algumas más notícias no passado. Minha marca independente foi duramente atingida pela recessão de 2007. Pouco tempo depois, perdemos nosso maior acordo com um distribuidor de varejo. Nas duas ocasiões, tive que abordar meus investidores e ser franco. Eu disse a eles que a recessão não seria boa para nenhum de nós e que muitas coisas não poderíamos esperar. Em seguida, revelei minha estratégia sobre como avançar. Meus investidores gostaram de saber que havíamos pensado nessas situações e estávamos mantendo a cabeça o mais fria possível.

 

  1. Peça ajuda.

 

Alguns investidores querem apenas que você transforme seu dinheiro em mais dinheiro. Mas muitos investidores, mesmo que não tenham assentos no seu conselho, querem ter um papel mais ativo como mentores e consultores.

Normalmente, essa é uma estratégia que eles aplicam a todo o portfólio. Mesmo que sejam mais passivos, não tenha medo de pedir informações quando algo der errado. Um estudo de Stanford mostrou que dois terços dos CEOs desejam ter mais conselhos do que estão recebendo no momento.

Solicitar a perspectiva deles também demonstra que você os respeita e o que eles podem oferecer, além de oferecer uma dose extra de garantia de que você não está apenas tentando “fazer isso sozinho” quando se trata de sua empresa. Nos momentos mais difíceis, mostrar honestidade e vulnerabilidade diz muito.

 

Imagem cortesia: Pixabay