Agilidade nos negócios é o futuro. Veja como parar de viver no passado.

As organizações estão analisando mais de perto a agilidade hoje em dia. As empresas ágeis têm uma vantagem distinta em quase todos os setores, porque podem reagir à única constante nos negócios – a mudança. Os especialistas concordam, declarando que “sobreviver e prosperar no ambiente de hoje depende de fazer uma transformação fundamental para se tornar mais ágil”.

Empresas ágeis são aquelas que adotam o princípio darwinista de “se adaptar ou morrer”. No atual clima de negócios disruptivo, a agilidade é absolutamente essencial. Mercados inteiros estão mudando rapidamente, e para uma empresa ter qualquer esperança de acompanhar ou progredir, a estrutura burocrática convencional não vai ajudar.

É nesse ponto que entram gerentes individuais. No contexto de mudanças constantes, os líderes só podem esperar capacidade de resposta e flexibilidade de suas equipes quando estão incutindo o encargo cultural de agilidade e flexibilidade. Isso significa comunicar claramente o objetivo da equipe em um ambiente fluido.

Os funcionários precisam ter poder e, para isso, precisam ter uma compreensão firme de suas funções e responsabilidades. Em todo o mundo, apenas metade dos funcionários sabem o que devem realizar. Não é realista pensar que esses mesmos trabalhadores sem objetivos terão alto desempenho, serão pensadores inovadores ou colaboradores eficazes. Para que uma organização seja ágil, ela precisa de um propósito claro e de uma mudança cultural abrangente. É um novo tipo de disciplina para muitos líderes, mas há medidas concretas para desenvolvê-lo.

 

1. Escolha uma mentalidade criativa.

Os líderes reativos podem criar organizações eficazes e bem organizadas, e podem apoiar seus funcionários e ajudá-los a alcançar suas metas de várias maneiras. Um líder reativo reside no topo de uma hierarquia e reserva a última palavra em todas as decisões importantes. No entanto, essa é uma abordagem patriarcal e paternalista à liderança empresarial que limita a capacidade de uma organização sobreviver à interrupção.

Os líderes criativos, por outro lado, se esforçam para criar uma organização mais plana e em evolução. Eles acabam com a burocracia em camadas e incentivam a entrada de funcionários sempre que possível. Em vez de governar uma organização como um ditador benevolente, os líderes criativos conceituam uma visão que os outros querem comprar. Uma mentalidade criativa ultrapassa os limites operacionais de um reativo e permite o crescimento contínuo.

 

2. Lidere uma meritocracia.

Todos os funcionários de uma empresa devem estar melhorando constantemente. Cultivar uma meritocracia autônoma e independente permite que aqueles que são ambiciosos e empreendedores possam crescer. Os membros da equipe que não correspondem a essa

descrição serão aqueles que estão estagnados e ficando para trás. Isso não é ruim para os negócios, na verdade – apenas elimina os funcionários com baixo desempenho.

O trabalho do líder ágil neste sistema? Continuar a dar aos melhores funcionários mais responsabilidade e permitir que os de menor desempenho compreendam quando não se encaixam bem. Se uma organização não está funcionando como uma meritocracia, ela está fazendo o maior desserviço aos funcionários mais desejados. Não é de surpreender que esse grupo de alto desempenho perceba e tome seus talentos e ambições consideráveis em outros lugares. Os custos resultantes não são apenas tempo e dinheiro – a reputação da empresa como local de trabalho também será prejudicada.

 

3. Pare de tentar ser tudo para todas as pessoas.

É impossível para uma organização fazer tudo bem e os que tentam não duram muito tempo. Limitar o escopo de uma empresa é uma das melhores maneiras de os líderes empresariais criarem um negócio mais ágil.

Os líderes ágeis precisam conversar com os membros da organização de cima a baixo e descobrir como eles definem o objetivo da empresa. Então eles devem repetir o mesmo exercício com os melhores – não necessariamente maiores – clientes. No final dessas conversas, os líderes entenderão melhor o propósito da organização e deverão alinhar os funcionários em torno de uma a três prioridades que atingem esse objetivo.

Criar um ambiente ágil não é um empreendimento imediato, pois exige uma mudança fundamental na cultura de uma empresa e na mentalidade de sua administração. Mesmo assim, vale a pena o esforço; as organizações ágeis serão as que sobreviverão e prosperarão por décadas em um ambiente de negócios incerto. Se os líderes de negócios puderem alcançar agilidade, eles terão sucesso garantido.

 

Imagem cortesia: Pixabay