Sempre que a inteligência artificial (AI) é mencionada em um contexto comercial, a conversa inevitavelmente se volta para os inúmeros boots de comunicação que existem no mercado, e que são úteis para o comércio eletrônico, para otimizar a experiência do cliente com a loja e aumentar o número de consumidores que gastam em seus produtos e serviços on-line.

Este tipo de boots pode ser usado para oferecer um melhor atendimento ao cliente, criar uma ponte entre um serviço de call center e melhorar a criação de sua marca.

Mas, os boots de comunicação são o exemplo definitivo de como as empresas podem usar recursos de inteligência artificial? Não mesmo. Na verdade, nem todos os boots de comunicação serão conduzidos por uma inteligência artificial. Apesar de uma maioria estar baseada em scripts, e seguir um processo simples de tomada de decisão para apresentar uma resposta (por exemplo, um boot pode reconhecer a palavra “entrega” para apresentar ao usuário as principais perguntas deste tópico, deixar que ele gerencie sozinho é perder a potencialidade de seu sistema. Você, por exemplo, considerou analisar os dados?

O verdadeiro poder da inteligência artificial reside na análise de dados e na tomada de decisões em tempo real com base nessa informação. Muitas empresas reconhecem a importância dos dados apreendidos nestes dispositivos de atendimento, mas aprender a filtrá-los e analisa-los é um desafio a parte. O primeiro e mais importante passo para qualquer negócio é manter seus dados em um só lugar. Encontrar uma boa plataforma de gerenciamento de dados é essencial para qualquer empresa que procure incorporar a inteligência artificial em sua estratégia.

Um sistema de inteligência artificial completo e efetivo já fornece uma boa análise dos dados obtidos: quanto mais completa e de alta qualidade os dados, melhor o sistema inteligência poderá funcionar. Dados ruins resultarão em uma inteligência artificial pobre e ineficaz.

Uma relação próxima, então, entre o sistema de gerenciamento de dados e o de inteligência artificial terá um impacto. Uma boa inteligência artificial criará seus próprios dados, que devem ser alimentados automaticamente pelo gerenciamento intervalos regulares (no mínimo, uma vez por semana, e em um mundo ideal em tempo real) para serem verdadeiramente aproveitados.

Opções onde o boot criar um modelo, mas não se integra com o gerenciamento de dados pode ser eficiente a curto prazo e para o atendimento do público, mas não explora a real potencialidade para a empresa.

A inteligência artificial percebe seu meio ambiente e toma decisões que maximizarão sua chance de sucesso em qualquer objetivo. Isso pode variar de otimizar a margem de lucro, ou para maximizar a eficiência de seu estoque. Por exemplo, um supermercado quer garantir que sempre tenha salada suficiente em estoque para fornecer seus clientes, ao mesmo tempo em que haja um desperdício mínimo e um produto mínimo não vendido.

Um bom sistema de inteligência pode levar em conta as vendas típicas do supermercado, mas também deve ser associado a informações meteorológicas, portanto, se houver uma onda de calor em outubro, o tempo, e não apenas as vendas médias de saladas de outubro, serão considerados.

 

O que “sem glúten” pode nos ensinar

 

O conjunto de suposições dos sistemas de inteligência também deve ser verificado com frequência, de modo que ele tenha regularmente novos dados. Por exemplo, pense no movimento pró-consumo de alimentos sem glúten, iniciado há alguns anos.

Os produtos sem glúten costumavam ser anunciados apenas para pessoas com doença celíaca e eram vendidos em lojas específicas. Mas então surgiu uma tendência em que mais e mais pessoas começaram a adotar dietas sem glúten e começaram a procurar esses produtos e aonde comprá-los.

Ao usar um sistema de inteligência artificial para analisar quais consumidores estavam comprando esses produtos e os locais onde eles estavam, um produtor de alimentos poderia entender que em determinada região há uma concentração maior de celíacos, e assim distribuir de forma diferenciada seus produtos.

A inteligência artificial indica que é possível basear uma decisão em cada uma das informações disponíveis. E, dentro das campanhas publicitárias, essas informações podem ajudá-lo a fazer previsões sobre cada impressão; ou, com o comércio eletrônico, que tome decisões sobre cada venda e, em seguida, use essas informações para melhorar suas decisões.

Em suma, a inteligência artificial representa a diferença entre tentar vender alguém com sapatos porque as pessoas têm pés e tentar vender sapatos para alguém que realmente quer comprar um par de sapatos. Os sistemas de inteligência elevam o processo de pensamento humano, eliminando nossos preconceitos – conscientes e inconscientes – e seguindo o caminho que os dados mostram.

Então, se você estiver usando esses boots como parte de sua estratégia – bem-vindo ao mundo da inteligência artificial! Mas não pare por aí: por que não explorar um pouco mais?

 

Imagem cortesia: Pixabay