Como um empreendedor começa? Ao sair da caixa de outra pessoa.

 

As pessoas costumam me dizer como começou sua jornada de empreendedorismo. E começa regularmente assim: “Eu estava trabalhando em [inserir grande empresa aqui], e eles desaprovavam o meu lado ambicioso, então eu parei”. Então o que começou com uma grande empolgação se tornou em um uma insatisfação. Eu ouvi isso na noite passada, na verdade, antes de escrever este artigo. Uma mulher me contou sobre trabalhar em uma grande empresa e que teve que sair quando seus superiores lhe impuseram dificuldades em relação a um programa de alfabetização financeira que ela havia iniciado como projeto paralelo.

Que empresa idiota. Que grande, estúpida, míope, presa no passado, incapaz de reter um grande talento, dedicada a mediocridade. O programa desta mulher está prosperando e seu antigo empregador não tem acesso a ela, suas ideias, sua energia ou sua motivação. A empresa parece querer limitar-se a funcionários que não pensam alto e que não ultrapassam os limites. Essa empresa parece pensar que deveria ser a única oportunidade disponível para seus funcionários – como se só isso pudesse inspirar as pessoas à grandeza infinita. Isso é implausível. Não, é impossível! A empresa não vai muito longe, como tantos empregadores, pois não consegue entender a capacidade ilimitada das pessoas que pensam grande.

Estou aqui agora para oferecer uma teoria diferente. É assim: há uma palavra para alguém que está sempre descobrindo, criando e construindo, e essa palavra é empreendedorismo. Um empreendedor não precisa ter uma empresa; é simplesmente alguém que vive o empreendedorismo como uma paixão e uma mentalidade. Um empreendedor inspira os outros. Um empreendedor trabalha com 150% de capacidade – e se eles estiverem na sua equipe e tiverem a liberdade de prosperar, eles te darão 100% e manterão 50 para si mesmos. Se você é um empregador, procure e abrace essas pessoas, porque elas são o seu futuro. E se você é uma dessas pessoas, você deve se recusar a ser contido.

Eu acredito fortemente nisso porque eu vejo isso o tempo todo. É minha história pessoal; eu estou onde estou porque passei por todos os trabalhos que já tive, incluindo este agora. É também a história de muitas pessoas que dividem seu trabalho com outras paixões e projetos. E é algo que estou ouvindo cada vez mais de executivos de grandes empresas. Um desses executivos, que trabalha em uma empresa internacional de tecnologia, perguntou recentemente se eu poderia inspirar sua equipe jovem porque, em suas palavras, “a vida corporativa está acabando com o empreendedorismo deles”.

Aquele executivo de tecnologia entende disso. Existe uma lógica contra intuitiva: a flexibilidade é uma estratégia de retenção. As melhores pessoas de uma empresa – suas mentes empreendedoras! – vão sentir uma necessidade de crescer além disso. Eles sempre querem fazer mais, criar coisas para si mesmos e não deixar uma boa ideia por explorar. Se uma empresa não lhes der esse espaço para prosperar, eles sairão. Se a empresa os apoiar, eles permanecerão por mais tempo, resolverão problemas de maneira mais criativa e fornecerão valor para todos.

Estamos começando um novo ano, que é sempre um bom momento para avaliar até onde chegamos e para onde estamos indo. E assim, enquanto olhamos para o céu azul de 2019, aqui está minha mensagem para todos que sentem essa coceira: não deixe que alguém lhe diga não. Não se contente com “É isto ou aquilo”. Você e eu, e todos os ousados o suficiente, sabemos que a vida é mais completa do que essas duas opções. A vida não é “isso ou aquilo”. É tudo! Ou pelo menos, é “É isso que eu escolhi”.

Entramos em um novo ano. Há muito mais a fazer. Não nos será dito o contrário.

 

Imagem cortesia: Pixabay