O futuro da rede de negócios pode variar drasticamente das interações pessoais que estamos acostumados.

 

Quando as empresas de tecnologia e internet começaram a ganhar força, a pergunta mais frequentemente feita pela mídia era: “Essa coisa de rede é apenas uma moda passageira?” Bem, quase 34 anos parece evidente que isso não é uma moda passageira. Houve mudanças ao longo do tempo, é claro. A maior mudança foi a introdução da internet. Ironicamente, a rede on-line contribuiu para o sucesso das redes face a face, reduzindo bastante a hierarquia de comunicação e permitindo que as pessoas se comuniquem por meio de plataformas on-line.

De acordo com a Small Business Administration, hoje cerca de “50% de todas as pequenas empresas são domésticas” e, segundo a BBC, “quase metade da força de trabalho dos EUA deverá trabalhar remotamente até 2020”. Isso significa que 50% ou mais de futuros empreendedores e funcionários estarão trabalhando remotamente dentro dos próximos anos.

Hoje, há uma tendência ainda mais surpreendente no horizonte no que se refere ao trabalho remoto, à tecnologia e à rede de negócios. Essa tendência é o surgimento da realidade aumentada no âmbito da rede pessoal. A realidade aumentada é a fusão de mundos real e virtual, onde objetos físicos e digitais coexistem e interagem em tempo real. A realidade aumentada ocorre não apenas no mundo físico ou no mundo virtual, mas é uma mistura de realidade e realidade virtual.

De acordo com um artigo do Recode de 2016, “a realidade aumentada permite ao usuário ver o mundo real… ao mesmo tempo em que vê objetos virtuais verossímeis. Ele então ancora esses objetos virtuais em um ponto no espaço real, tornando possível tratá-los como real, pelo menos a partir da perspectiva da pessoa que pode ver a experiência de realidade aumentada”.

À medida que esta tecnologia se desenvolve, permitirá que as equipes remotas trabalhem juntas e lidem com os objetivos, não importando onde os indivíduos estejam fisicamente localizados. As pessoas podem entrar em um ambiente virtual colaborativo e imersivo para “desenvolver e ativar relacionamentos, aumentar negócios, aprimorar o conhecimento, expandir a esfera de influência ou servir a comunidade”. Em outras palavras, rede. E, em um futuro não muito distante, é possível prever que eles serão capazes de fazer isso remotamente através de um ambiente de realidade aumentada.

É provável que no futuro as redes serão uma mistura do mundo físico com o mundo digital. De acordo com a Microsoft, “a realidade aumentada é a próxima evolução em interação humana, computador e ambiente e abre possibilidades que até agora estavam restritas à nossa imaginação.”

Um dos elementos atuais faltantes de uma discussão em vídeo é a falta de intimidade com a comunicação online. No entanto, à medida que essa tecnologia avança, as pessoas estarão mais aptas a ler linguagem não-verbal, como braços cruzados, inclinações, sinais de nervosismo ou outros aspectos não-verbais que podem ser perdidos em uma discussão bidimensional. As pessoas atribuem valor ao sentimento de compartilhar fisicamente o espaço com outra pessoa. Quanto mais a tecnologia permite que esse sentimento espelhe a realidade, mais eficaz ela será, porque, como a ciência mostrou, o cérebro muitas vezes não consegue determinar o que é real e o que não é quando relacionado à realidade virtual.

É verdade que uma reunião virtual não é o mesmo que estar lá – mas estará cada vez mais perto dos Cavaleiros Jedi e de suas reuniões holográficas, como visto em Star Wars.

Quando essa hora chegar – eu quero ser Obi-Wan Kenobi.

 

Imagem cortesia: Pixabay